Marcela reúne tradição e prevenção

O cultivo da planta símbolo do Rio Grande do Sul, conhecida como marcela, é promovido durante a Semana Farroupilha de Miraguaí. Essa é uma iniciativa do CTG Rodeio da Amizade, Emater e Prefeitura Municipal.

Apesar da planta poder ser encontrada à beira da estrada no município, a erva está em risco de desaparecer em outras localidades. “Estudos mostram que a marcela pode entrar em extinção por causa da poluição, dos agrotóxicos e principalmente pela falta de cultivo”, explica Patrícia Cassol, chefe do escritório da Emater.

Para motivar as pessoas a colherem e preservarem a planta tradicional, os organizadores irão entregar 800 mudas de marcela no encerramento da Semana Farroupilha. “As mudas foram encomendadas no Instituto Farroupilha de Santo Augusto porque suas sementes são muito pequenas e de difícil manejo”, comenta Patrícia. Período ideal para incentivar o cultivo já que os melhores meses para plantar marcela é setembro e outubro. E para a colheita, de março a maio.

Existe uma tradição gaúcha que consiste em colher marcelas na madrugada da Sexta-feira Santa. Sandro Roberto Mower, diretor da Escola Pública Estadual Fagundes Varela, explica o porquê. “Dizem que ela deve ser colhida antes do sol nascer para poder preservar suas propriedades medicinais”, informa Sandro.

O diretor conta que aprendeu essa tradição com seus pais. “Faço isso desde sempre. E hoje vou com minha mulher e filhas”, conta o tradicionalista. “Acordamos de madrugada, colocamos as botas, pegamos a lanterna e vamos para o mato procurar marcelas”, descreve Sandro com um sorriso nos lábios e o olhar distante de quem relembra memórias. “A gente pendura, seca, acondiciona no vidro e ela dura o ano todo”, narra Mower.

Outra tradição é colocar a erva embaixo do travesseiro para acalmar as crianças ao dormir. “Acho que um fator importante é acreditar que vai dar certo”, completa o diretor. O chá de marcela apresenta diversos benefícios à saúde entre eles o efeito calmante, analgésico, antisséptico, anti-inflamatório, etc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *